04 novembro 2013

02 . outubro . 2013


mudaste de casa

neste dia de enfermos,
deixo cair o Sue para não te lembrar.
tomo a Tabacaria em meu leito: é curta mas não existes em uma única palavra.
apesar do rio, retomo a Clarice;
como ela, as dissonâncias aprazem-me, também como ela as melodias por vezes cansam-me.
como nós, ela sabe o agridoce do rio.

Já foi o meu aniversário.
(antecederam-lhe dias de limpar as estantes dos mortos.
empilham-se livros na parte mais alta da casa)
Não te lembraste de mim, ou não quiseste que eu soubesse que me lembraste.
(o aniversário como um obituário)