13 julho 2013

aprisionada

aqui os telhados confundem-se com a paisagem. 
encontro-me, acabo de saber, numa cidade disputada por dois povos. esquizofrénica, portanto: dois sistemas de correio, duas estações de autocarros,...
tu, tal telhado, confundes-te em mim. 
hoje sei-me presa a ti.
é que quando pressenti que me largavas a mão, não hesitei e o meu coração foi atrás de ti. não sei ao certo para onde. 
da mesma forma que ignoro qual a nossa paisagem.
que terra é esta que criámos?
terra feita de ajustes e reajustes, avanços e recuos. de hesitação e tacteamento;
terra sem nome, disputada por corações que nos pertencem ( se é que o coração tem dono), mas que não são os nossos.


Sem comentários:

Enviar um comentário