12 abril 2013

uma mulher de costas

a hora é agora,
enquanto a noite cresce  o vento leva tudo
sonhos que jamais se dividirão
procuro-te em copos vazios que,
dois copos vazios sei agora ser melhor que um.
a cadeira fria. a tua ausência.

lembro-te nos dias curtos, e nos dias longos que encurtavas.
já te desenhei de cor. agora, já não sei o teu corpo vazio em mim.

cigarros queimados.
carimbos gravados no corpo.
o amor como o outono.
um canhão abandonado, um amor bravo e
uma nave de lobos.

Sem comentários:

Enviar um comentário