09 abril 2013

desenho-te de cor

páginas abandonadas são como amores impossíveis
somos noite escura, ruas vazias com navios fantasma.
o tempo fugiu-nos como terra sem dono que morta parece um livro usado.

procuro o meu amor numa ponte meio caída que,
nós somos cidade
naquela noite em que me gravei em pedra para trazer o teu cheiro para perto de mim.

lembro-te nos dias que curtos me parecem longos,
desenho-te de cor,
sei o teu corpo em mim.
o silêncio não tem cor, como sombras brancas que não se reconhecem quando se cruzam.

Sem comentários:

Enviar um comentário