14 maio 2010

IV

lembro como se fosse ontem, ou antes de ontem vá. caminhar até hoje com um sorriso nos actos. que a candura de que me mostraste capaz faz-me olhar para a frente com desejos de hoje, porque hoje bastas-me. em tempos papais fala-se de esperança e alegria, eu falo-te de zelo, que quem zela talvez não precise de experimentar a esperança. nunca gostei muito da esperança, que a esperança, por vezes, parece-me um misto de hoje e amanhã em lugar incerto. eu tu agora, como se agora fosse um verbo.

2 comentários:

  1. foi fácil, tu ajudaste na maioria das vezes, aquelas em que foi preciso ponderar, falar, decidir... Aprendi que todos os dias se somam, e que são todos importantes. Por isso chegar a agora era obrigatório. Vamos continuar a fazer as contas. Vamos chegar a um número grande, grande. Se não souberes,eu ajudo.
    Sabes contar até quanto?
    beijo

    ResponderEliminar