01 julho 2009

postal sem selo #34




olá,

sim, já posso dizê-lo, foi espectáculo, maravilha. lamento que não me tenhas aguardado notícias, mas é assim aprendi lá. e muitas outras. lembrei-me de ti, como sabia que aconteceria. excedeu-se o país - não me lembraste no rio, não me lembraste na madeira. antes nos cheiros, no mijo de vaca (fui abençoada ao terceiro dia, o que espero que já saibas/ quero acreditar muito que sim), na pobreza que te faria falar meia hora sobre a rússia e que as fotografias te calariam de imediato (mas não eu), nas ruas e bazares, nos comboios tanto e tanto, as construções eras tu/ as pinturas também. toda a índia seria nossa num prolongado chai e supari que te serviria. 
assim como de marrocos não escrevi nenhum postal, limitei-me a olhar para o k. e a mandar beijinhos para casa. pela primeira vez não carreguei o coração nas mãos durante esse dia. tem dessas cores aquilo.
dou-me por feliz aqui, mesmo sem ti.

um beijo

1 comentário: