01 agosto 2008

de pé [I]




no 209 decidi trocar de pé, trocamos todos julgo eu. lá dentro não acusa o que o corredor já nos conhece nos olhares. lembro aqueles papéis a4 que tinha postos nos frigorificos na casa das minhas amigas de familias numerosas com os afazeres divididos por todos. aqui todos lutamos por um lugar ao lado dele. ora agora ficas tu para eu ir jantar, depois entro eu, depois vem o teu pai, mas a verdade é que nos cruzamos lá todos enquanto ele acorda e diz 'os meus talheres' num acto de desespero por um prego 'pode ser num pão com um copinho de vinho'. [espaço] 'filha, já empacotaste tudo? vai tratar da tua vida que para a semana és mais precisa' 'deixa mãe' e a verdade é que deixa. sempre com sorriso na boca de quem pensa em bacalhau com broa ou prego ou outra comida qualquer, e a verdade é que pensa, porque me manda chamar já ia eu no corredor para me dizer 'não te esqueças, quando sair daqui vou diretinho à tua casa nova comer o bacalhau à brás que fazes tão bem'

Sem comentários:

Enviar um comentário